Sexta-feira, 11 de Janeiro de 2013
Memórias que se guardam para sempre

 

Uma casa na árvore é uma imagem que faz parte do imaginário de quase todas as crianças de quase todo o mundo. E não apenas das crianças, também muitos adultos cultivam a nostalgia de já terem tido esse sonho ou, os mais sortudos, de terem vivido essa realidade. Conheço famílias que construiram juntas casas em árvores e o fizeram ao longo de décadas, envolvendo várias gerações. Casas que vão sendo acrescentadas, melhoradas, estruturadas e reforçadas de tal forma que se aguentam firmes durante décadas a fio. Confesso que tenho imensa inveja de quem tem ou teve uma casa na árvore, e lembro-me de ter lido um livro que marcou para sempre o fim da minha infância por ser o primeiro livro de mais de 200 páginas que li sozinha, mas também por ser a história de uns miúdos que viviam n'A Casa da Árvore Oca. Falo de um clássico de Enid Blyton e de um livro que me fez sonhar longos anos com uma casa na árvore. Agora volto ao tema por ter estado a rever fotos deste Verão, e me ter saltado esta à vista. Trata-se de uma casa com divisões assoalhadas, vidros de correr nas janelas (vidros inquebráveis, notem, tipo plástico duro), escadas interiores e exteriores, esconsos, cozinha e um terraço que se estende no ramo da árvore e por acaso não se vê nesta imagem. Esta casa tem luz e pode-se dormir lá dentro, coisa que os donos e os seus amigos fazem vezes repetidas nos Verões que passam juntos no perímetro da casa. Mais do que uma casa giríssima, toda feita à mão por avós, netos e pais, esta obra revela uma construção maior: dos laços entre uns e outros. Enquanto edificaram a casa também construiram uma memória indelével de pequenos e grandes momentos que marcam para toda a vida. Hoje em dia a casa é um cúmulo de boas memórias e sempre que ouço os autores falar das técnicas e estratégias que foram pensadas e adoptadas para lhe dar forma, ouço gargalhadas e conversas sempre atropeladas, num entusiasmo inaugural. Como se estivesse tudo a acontecer naquele momento, quando na verdade o avô já morreu e alguns primos moram longe. Lembrei-me de escrever hoje sobre pais e filhos a partir das casas na árvore, que podem ser reais ou imaginárias (ou passar por projectos, passeios e construções que não têm nada a ver com estas) por estarmos em véspera de fim de semana e haver mais tempo para estarmos uns com os outros. Só por isso.

publicado por Laurinda Alves às 16:27
link do post | favorito
Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



.pesquisar
 
.tags

. todas as tags

.posts recentes

. MUITO OBRIGADA A TODOS PE...

. CURSOS DE COMUNICAÇÃO NO ...

. Curso de Comunicação adia...

. Se tiver quorum ainda dou...

. O BENTO E A CARMO HOJE EM...

. HOJE NO PORTO: SOBREVIVER...

. MÃES QUE NÃO CHEGAM A VER...

. Esta miúda vai longe!

. Alegria!

. Ladrões e cavalheiros

.arquivos
.mais sobre mim
.subscrever feeds