Quarta-feira, 15 de Junho de 2011
Projecto Entre Gerações na Alta de Lisboa

 

Filme do meu primeiro dia de trabalho fora de casa desde o dia 2, o dia do acidente do Martim: um passeio nos jardins e prados do Museu do Traje, onde fizemos um pic-nic, uma ida a escolas da zona da Musgueira, uma visita ao futuro Parque Agrícola da Alta de Lisboa e um encontro na Quinta das Conchas. Tudo isto porque a Avaal tem um dos sete projectos Entre Gerações apoiados pela Fundação Calouste Gulbenkian, que aposta em reforçar os laços entre as gerações mais novas e mais velhas.

 

 

 

Os miúdos da escola interessaram-se por tudo o que Rui Costa, o arquitecto paisagista do Museu do Traje, lhes explicou sobre as hortas, sobre as plantas e as árvores centenárias dos jardins, e é curioso ver como um bom mestre pode deixar sementes nos discípulos, pois dois destes miúdos disseram que um dia gostariam de ter uma horta. Pode ter sido um impulso do momento ou o reflexo de um dia bem passado, não sabemos, mas é um facto que este dia ficou muito marcado por um tempo de relação e de ligação entre pessoas que habitualmente vivem em mundos e tempos separados.  

 

 

No terreiro do Museu do Traje, depois do passeio e do pic-nic, as senhoras descansam nos bancos enquanto os adolescentes se juntam aos pares ou em grupos animados e, sem cerimónia, conversam sobre as coisas próprias das suas idades. A naturalidade com que uns e outros se relacionaram ao longo do dia revelou o trabalho de meses da Avaal, uma associação que promove o verdadeiro encontro entre gerações. Jorge Cancela (na foto de baixo), arquitecto paisagista e um dos fundadores desta associação, é também o seu grande motor. 

 

 

 

Jorge Cancela conversa com Krista Harper, antropóloga norte-americana e professora na Universidade de Massachusetts, sobre a essência e objectivos de actividades como as de hoje. Krista é uma referência em matéria de ecologia e agricultura urbana e é fascinante ver como em menos de 6 meses aprendeu a falar correctamente português, e juntou a sua ciência e experiência a este projecto. Neste momento é um pilar da associação, mas também um critério de fasquia alta, e alguém que já conhece quase tão bem como os próprios moradores a vida, usos e costumes dos micro-bairros da Alta de Lisboa.

 

 

O dia foi longo e muito animado e terminou numa das escolas onde a Avaal tem projectos de hortas com crianças e os seus avós. Não posso dizer muito mais do que aquilo que já disse pois tudo isto será, mais à frente, parte da substância da publicação que estou a preparar com a Fundação Calouste Gulbenkian. Fica o essencial, sem dizer de mais nem de menos. 

publicado por Laurinda Alves às 22:27
link do post | comentar | favorito
6 comentários:
De viguilherme a 16 de Junho de 2011 às 10:23
Mantenho o desejo de que tudo se vá restabelecendo e melhorando no que a rodeia ......

É um projecto de apoiar esse , dq que nos fala ,.....pois o contacto com a Natureza e a educação ambiental na preservação desse patimónio é de ser mantido e estimulado .....

De Ana Duarte a 16 de Junho de 2011 às 11:14
Bom dia Laurinda, é com muita amizade, apesar de não nos conhecermos pessoalmente, que me dirijo a si, agradecendo por tudo quanto contribui para que cada um de nós que habitualmente passa por aqui, possa sair mais rico humana e espiritualmente.
Obrigada e que a força e esperança que nos transmite nunca a abandone, nem em momentos difíceis como este que atravessa.
Que tudo possa ser resolvido rápidamente.
Um abraço,
Ana Duarte
De Isabel a 16 de Junho de 2011 às 22:17
Laurinda
Desejo continuação de melhoras para o seu querido menino.

Isabel
De Teresa Lopes a 16 de Junho de 2011 às 23:23
Querida Laurinda,
É muito bom ver-te retomar a "vida lá fora" e a trazê-la, bem contada, aqui ao teu cantinho que também já é de todos nós. Tinha saudades :)
Espero que o Martim continue a recuperar bem.

Este projecto de que hoje nos falas é encantador! Esta aproximação de gerações é algo que me apaixona há muitos anos e é sempre tão enriquecedora para todos... Para os mais jovens, para os mais vividos e para aqueles que, estando a meio da escala etária, têm o privilégio de conviver com a duas gerações.
Vou ficar a aguardar a publicação que prometes para breve.

Um beijinho
Teresa
De Duarte Costa a 17 de Junho de 2011 às 22:04
Descubro este projecto inovador através do seu blog e da Rita que (imagino) regularmente passa por aqui.
É interessante ver como a natureza, Criação de Deus, pode ser vivida como espaço de relação e vivência entre pessoas de idades e contextos sociais diferentes. O mestre de que fala, modéstia à parte, é um óptimo mestre e um grande amante do seu trabalho, das plantas e da natureza. O mestre é meu pai!

Boa sorte avaal, boa sorte hortas de Lisboa!

De Anónimo a 22 de Junho de 2011 às 19:05
Primeiro que tudo, gostaria de agradecer a todos a participação neste encontro tão especial.
Foi uma "aventura" verdadeiramente gratificante e que não seria possível sem a colaboração de todo o pessoal da Santa Casa.
Assim, como professora da turma envolvida, deixo um muito obrigada a todos os que têm ajudado a estabelecer a ponte entre gerações.
Cá estaremos para o ano.
DTurma do 5ºA

Comentar post

.pesquisar
 
.Feitos em Portugal

Feitos em Portugal

.tags

. todas as tags

.portugueses sem fronteiras
.posts recentes

. MUITO OBRIGADA A TODOS PE...

. CURSOS DE COMUNICAÇÃO NO ...

. Curso de Comunicação adia...

. Se tiver quorum ainda dou...

. O BENTO E A CARMO HOJE EM...

. HOJE NO PORTO: SOBREVIVER...

. MÃES QUE NÃO CHEGAM A VER...

. Esta miúda vai longe!

. Alegria!

. Ladrões e cavalheiros

.arquivos
.mais sobre mim
.subscrever feeds