Domingo, 5 de Dezembro de 2010
De Lisboa para a Coreia do Sul, com amor

 

Esta fotografia de 'família' foi tirada depois de uma longa conversa sobre o padre Cruz, que ficou gravada em vídeo para a posteridade. Maria da Madre de Deus, sentada à nossa frente, é sobrinha-neta de um dos portugueses mais amados e venerados de sempre. Todos os devotos do santo padre Cruz sabem que foi um homem extraordinário e uma figura iluminada e iluminante. Maria da Madre de Deus era sua afilhada e, por isso, teve com ele uma relação privilegiada, de grande proximidade familiar. Diz que não se lembra de si mesma sem se lembrar do tio-padre e conta episódios alegres e tristes, divertidos e exóticos, épicos e banais, mas todos eles eloquentes da bondade de um homem que continua a ser uma inspiração e um exemplo para milhares de pessoas que rezam com ele e lhe confiam as suas intenções mais sagradas, pedindo a sua incansável intercessão. Conhecer a sobrinha-neta do padre Cruz e passar com ela uma tarde à conversa no duplo papel de entrevistadora e visita, é um privilégio que agradeço ao Francisco Noronha de Andrade, ao Duarte Miranda Mendes e à Conceição, filha de Maria da Madre de Deus. Um dia conto com mais pormenor porque é que estamos a fazer estas entrevistas gravadas em vídeo. Para já deixo aqui este post com um abraço especial de Lisboa até à Coreia do Sul.

publicado por Laurinda Alves às 00:00
link do post | comentar | favorito
7 comentários:
De João Nuno a 5 de Dezembro de 2010 às 02:13
Doce Laurinda,
não sei qual o projecto, mas o que quer que seja...será fantástico. Vindo de si não espero outra coisa.
Estou bem juntinho da Serra da Estrela...nem imagina o frio aqui. Aqueço neste momento os pés com um saquinho cheio de caroços de cereja. Novas modas que se tornam deliciosas nestes dias.
Amanhã volto a Lx.
Um bj com carinho
João Nuno
De Anónimo a 5 de Dezembro de 2010 às 11:36
Chegou aqui esse beijinho e enviamos outro enorme cheio de ternura. E que bom é ver essas fotografia cheia de luz e de estrelas ! Aposto que o padre Cruz está encantado com tal iniciativa!
De Anónimo a 5 de Dezembro de 2010 às 15:06
Em tempos li a vida de Padre Cruz e fiquei encantada. Que oportunidade fantástica Laurinda de ouvir directamente de quem privou com ele,histórias e relatos da sua vida.
Que bom também ficar documentado em video e escrito essas hístórias. Beijinho Carmen
De Isabel a 5 de Dezembro de 2010 às 23:06
Boa noite Laurinda,
Faço parte de um grupo coral, e cantámos no dia 27 de Novembro, a Cantata do Padre Cruz, na festa da Santa Cecília, padroeira da música. O poema é bem bonito, foi escrito por uma sra. de Alcochete e a música é do nosso maestro. Se lhe interessar posso enviar o poema. Isabel
De Laurinda Alves a 5 de Dezembro de 2010 às 23:18
Olá Isabel, se puder mande o poema, gostava muito! Obrigada. Um abraço
De Isabel a 6 de Dezembro de 2010 às 23:00
Boa noite Laurinda,
Envio a seguir a cantata do Padre Cruz, escrita em 1997, por uma sra. de Alcochete, chamada Maria José Branco da Assunção, que conheceu o Padre Cruz. Não lhe sei dar mais pormenores sobre esta sra.
Como a cantata é muito grande, não a publique no seu blog, é só para seu conhecimento. Abraço. Isabel

Padre Cruz – Cantata

Peregrino benfeitor,
Caminhando dava Amor,
A todo o pobrezinho.
Tudo nele era bondade,
Símbolo da caridade,
De esperança e de Amor.
Ao visitar Hospitais,
Os sofrimentos e os ais,
Ficavam em seus ouvidos,
Em silêncio mergulhava,
E à Virgem ele rezava,
Pelos doentes sofridos.
Nas celas, na solidão,
Sentia em seu coração,
O sofrimento fechado,
Seus conselhos repetia,
P´los presos a Deus pedia,
O perdão tão desejado.
Padre Cruz, o peregrino,
Pois foi este o seu destino,
Dado por Deus com fervor.
Assim na Terra viveu,
E a todos nós ele deu,
Sua bênção, seu Amor.
Em todo o seu caminho,
No mais pequeno cantinho,
Encontrava desalento,
Nas confissões que fazia,
Convertia em alegria,
O mais forte sofrimento.
De Santo António dizia,
Ser o pão que repartia,
A sua grande devoção,
Cheio de fé e de Amor,
Graças dava ao Senhor,
Pelo pobrezinho irmão.
Entre crianças sorria,
Abençoando-as dizia:
Deus te guarde meu Amor,
No seu sorrir e olhar,
Parecia despertar,
O seu poder e louvor.
Ao beijar a sua mão,
O pequeno coração,
Feliz sorria contente,
Ao sentir-se abençoado,
E por ele acarinhado,
Pela sua mão, ternamente.
Alcochete sua terra,
Toda a ternura ela encerra,
Pelo servo de Jesus,
Recordação que perdura,
A tão saudosa figura,
Do seu filho Padre Cruz.
De Carlos Silva a 25 de Julho de 2011 às 14:41
Cara Laurinda
Já que foi invocado o tema da "Cantata Padre Cruz" junto alguns dados históricos:
Tive a honra e o prazer de criar a partitura da Cantata. A pedido do Reverendo Padre Carlos Russo compus esta Cantata para assinalar os 50 anos do falecimento do Santo Padre Cruz.
A D. Maria José Branco da Assunção, ainda hoje viva, tinha escrito um poema (publicado em livro e apresentado pela Isabel) exaltando as qualidades do Padre Cruz e foi com base nele que compus a obra. O Grupo Coral Ars Musica” disponibilizou-se para ensaiar e cantar a Cantata a pedido do Rev . Padre Carlos Russo, sob a minha direcção.
Foi cantada a primeira vez em 1997.06.23 ao que se seguiram mais quatro vezes em anos seguintes integrada no concerto das festas de S. João, sempre na Igreja paroquial de S. João Baptista de Alcochete com a presença de cerca de 500-600 pessoas.
Assistiram à primeira realização os familiares do Santos Padre Cruz e Membros da Junta de Freguesia; numa das vezes em que foi cantada esteve presente o Sr. Bispo de Setúbal D. Gilberto Reis.
A informação foi também divulgada na altura pelo Rev . Padre Carlos Russo ao Jornal do Montijo.

Comentar post

.pesquisar
 
.tags

. todas as tags

.posts recentes

. MUITO OBRIGADA A TODOS PE...

. CURSOS DE COMUNICAÇÃO NO ...

. Curso de Comunicação adia...

. Se tiver quorum ainda dou...

. O BENTO E A CARMO HOJE EM...

. HOJE NO PORTO: SOBREVIVER...

. MÃES QUE NÃO CHEGAM A VER...

. Esta miúda vai longe!

. Alegria!

. Ladrões e cavalheiros

.arquivos
.mais sobre mim
.subscrever feeds