Sexta-feira, 8 de Outubro de 2010
A vibração dos artistas de rua

 

Há muito tempo que não publicava nenhum vídeo feito por mim neste blog e hoje tentei fazer o upload de uma pequena gravação que fiz em NY, numa esquina da 7ª Avenida, onde este homem toca bateria usando apenas baldes vazios, latas e panelas. A sua música ouve-se em vários quarteirões e confesso que sempre que ouvia tocar parava para ver. Gostei da sua energia, da sua vibração e da sua capacidade de fazer música a partir de baldes de lixo, panelas e tampas. Percebi que ele tem um site e já vi outros vídeos dele. Aqui fica o link: http://tonypotsandpans.com/default.aspx
P.S.: Não sei o que aconteceu, mas o vídeo ficou de cabeça para o lado. Vou pedir ajuda à Jonas do Sapo!
publicado por Laurinda Alves às 13:02
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Terça-feira, 29 de Junho de 2010
Noite e dia nas ruas de NY

 

Passei uma tarde a editar a entrevista que fiz em NY ao Jorge Colombo, ilustrador e fotógrafo que também filma e escreve e faz design gráfico, e foi um prazer voltar a ouvi-lo. Tirei-lhe esta fotografia na rua, mesmo em frente da Central Station, onde estavam estacionados dois american trucks carregados de luzes, focos e material de cinema e fotografia, prontos a improvisar um estúdio e a iluminar tudo como se fosse dia. Performativo e divertido, o Jorge fez a sua pose. Dentro da Central Station descobrimos a fotógrafa Annie Leibovitz (já fiz um post com ela e o batalhão de gente que estava no set) e demorámos por ali a vê-la trabalhar. As ruas de NY são quase sempre um acontecimento. No Soho, na manhã seguinte, também tirei fotografias a pessoas que passavam na rua. Esta miúda parece saída de uma campanha publicitária mas não, estava só a tentar apanhar um táxi.

 

publicado por Laurinda Alves às 09:08
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 1 de Junho de 2010
Fotografias de Travis Ruse no Metro

 

Gosto particularmente de arte pública, de ver exposições nas ruas, de contemplar esculturas e instalações nos passeios, de ver fotografias de autor nos transportes públicos. Travis Ruse, fotógrafo norte-americano com um talento especial para captar a luz e as sombras no Metro, tem uma exposição de fotografias belíssimas nos corredores do próprio Metro, em NY.

 

 

Durante meses a fio Travis Ruse fez o caminho de Brooklyn para Manhattan de Metro e entreteve-se a observar as pessoas e a fotografá-las. O resultado de parte deste demorado exercício de contemplação está à vista nos outdoors das plataformas do Metro nova-iorquino, mas também pode ser visto no facebook e no blog e site do fotógrafo. Vale a pena ver o seu trabalho e conhecer a perspectiva da sua arte.

 

publicado por Laurinda Alves às 00:22
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Sexta-feira, 28 de Maio de 2010
Jazz de portugueses em Nova Iorque

 

Sara Serpa e André Matos, ela canta e ele toca guitarra. São um casal de músicos portugueses de jazz que vivem e tocam em NY. Criaram um espaço próprio numa cidade extraordinariamente competitiva e é um prazer saber que têm cada vez mais público e reconhecimento.

 

 

Começámos por os ouvir tocar e cantar no Local 269, um espaço muito jazzy e muito cinematográfico. Havia pouca luz, como é natural, e desta vez as polaroids ficaram muito escuras mas acho graça ao contraste por se tratar de um concerto num bar.

 

 

No dia em que fomos ouvir o concerto da Sara e do André estávamos em filmagens com o Jorge Colombo, que também nos acompanhou. Igual a si próprio, o Jorge manteve-se no bar a desenhar no seu iPhone. Enquanto a Sara cantou e o André tocou, o Jorge Colombo ilustrou. Lindo!

publicado por Laurinda Alves às 13:15
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 26 de Maio de 2010
Nova Iorque não dorme

 

 

 

 

 

Estas imagens foram tiradas ao entardecer, imediatamente antes de cair a noite sobre NY, a cidade que não dorme. O terraço onde vimos o anoitecer e a lua subir devagarinho para o alto do céu era um arraso. Graças à Catarina Perestrelo tivemos o melhor fim de dia possível em NY. Aqui fica mais uma imagem parecida com uma das anteriores, mas desta vez com a lua quase cheia.

 

publicado por Laurinda Alves às 20:44
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Terça-feira, 25 de Maio de 2010
Encontro com Annie Leibovitz na Central Station

 

Em NY ha sempre a possibilidade de multiplicar os encontros com pessoas banais e especiais nas ruas e avenidas, e isso faz desta cidade um lugar fascinante. Ontem estivemos na Central Station com a celebre fotografa Annie Leibovitz e claro que esta proximidade de uma mullher como ela nos tocou e nos fez parar. Aqui fica uma sucessao de fotos tiradas ah equipa com que Annie Leibovitz estava a trabalhar. Tudo muito profissional e tudo muito impressionante, aqui entre nos.

 

 

 

 

 

 

publicado por Laurinda Alves às 20:22
link do post | comentar | ver comentários (8) | favorito
Segunda-feira, 24 de Maio de 2010
Retratos e auto-retratos numa parede amarela do Soho

 

Ia a conversa pelas ruas do Soho com o Andre Cruz, o realizador desta serie de programas sobre os portugueses no mundo, quando ele reparou nesta parede amarela. Diss que era um fundo espectacular para fazer fotos e fez uma pose. Improvisamos um street studio na rua e fizemos retratos um do outro.

 

 

Uma americana simpatica que passou com o marido no momento em que faziamos as fotos, achou o nosso estudio improvisado muito giro e disse que nos queria tirar uma fotografia aos dois. Aqui fica o registo, por graca.

 

 

O Paulo Segadaes nao estava connosco nesse momento mas queremos voltar ao "estudio" para uma fotografia juntos. Agora vou-me embora e como temos dias muito, muito preenchidos, nao sei quando volto ao blog. Ate breve!

publicado por Laurinda Alves às 15:55
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
A Joana Vicente e a Catarina Perestrelo Pinto

 

Eis a Joana Vicente, uma das entrevistadas em NY. Eh produtora de cinema, trabalha com actores e realizadores que sao verdadeiras lendas da setima arte, e agora eh responsavel por uma organizacao muito influente no mundo do cinema independente e de autor. Adorei conhece-la e estar em sua casa, com toda a calma a conversar sobre a sua vida e sobre o sentido que da a tudo aquilo que vai acontecendo ao longo dos anos. Hoje vamos completar a entrevista com a Joana. Ontem estivemos com a Catarina Perestrelo PInto, personnal concierge em NY.

 

 

A Catarina tem uma personalidade marcante e contagiante e a sua paixao por esta cidade nota-se em todos os detalhes. Escolheu um restaurante para almocarmos no Soho, o Felix, e foi aqui que nos encontramos com ela.

 

 

Passamos a tarde juntos e gravamos a entrevista em dois lugares fabulosos. Num deles nao era permitido filmar por ser um hotel ultra selecto (e quase secreto) onde a Madonna e outros artistas ficam quando estao em NY. A nossa sorte foi a Catarina ter la trabalhado durante quase dois anos e ter-nos levado a um deck no alto do hotel, onde discretamente gravamos uma pequena parte da conversa. Muito bom. O almoco no Felix tambem foi optimo e muito animado.

 

 

O Soho eh um dos bairros que nunca passam de moda e adoro o movimento nas ruas, de dia e de noite. Ver as pessoas que passam eh fascinante e podia ficar horas neste exercicio de observacao...

 

 

Entretanto percebi que Portugal esta na moda em NY. OU melhor, o design portugues. Ha uma grande exposicao anunciada em quase todos os outdoors e paragens de autocarro da cidade.

 

publicado por Laurinda Alves às 15:37
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
Sábado, 22 de Maio de 2010
Conversas ao amanhecer na Brooklyn Bridge

 

Acordámos às 6h da manhã para filmar a Domitília Santos a correr na Brooklyn Bridge e valeu a pena ter ido ali àquela hora da manhã. Estava tudo uma beleza.

 

 

A zona de Wall Street e do South Sea Port ainda sem a luz do sol ficam muito cinematográficas e as cores lembram os filmes de outras épocas. tudo nesta cidade é muito gráfico e embora seja um dos lugares mais filmados e fotografados no mundo, há sempre um olhar de novidade. É impressionante.

 

 

Maratonista convicta e viciada, como ela própria assume, Domitília faz o seu aquecimento matinal mas desta vez para as câmaras de filmar do André e do Paulo. É gira a disponibilidade com que todos os entrevistados revelam outras paixões e motivações para além do trabalho.

 

 

Àquela hora da manhã ainda havia poucos desportistas no tabuleiro da ponte mas quando terminámos as gravações já havia sol e muita, muita gente a correr e a andar de bicicleta. A vista, à direita e à esquerda da ponte, é linda. Os depósitos de água sobre os telhados de NY fazem-me sempre lembrar as ilustrações do Jorge Colombo. Vou entrevistá-lo cá na segunda-feira, mal posso esperar!

 

 

A conversa com a Domitília Santos podia estender-se por muito, muito tempo pois ela tem uma maneira de falar e de ser que prende e fascina. Generosa e atenta a todos os detalhes, tem sido uma excelente cicerone nesta cidade. Ainda nos vamos voltar a encontrar pois ela faz voluntariado e amanhã, domingo, vamos filmar com ela perto do centro paroquial onde está ao serviço dos outros semana após semana, há anos sem fim.

 

 

 

publicado por Laurinda Alves às 19:12
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
Marina Abramovic, artista performativa no MoMA

 

Nos intervalos das gravações e filmagens é impossível resistir à oferta cultural desta cidade. O MoMA é um museu incontornável e, por isso, comecei por aqui.

 

 

Cheio, como sempre, o MoMA tem duas exposições espectaculares neste momento. Uma mais clássica, de fotografia retrospectiva de Henri Cartier-Bresson (maravilhosa colecção, aliás) e outra mais performativa e 'à frente', da jugoslava Marina Abramovic (o nome dela pronuncia-se 'Abramovitch' e o 'c' deveria ter um acento mas eu não consigo escrevê-lo aqui, sorry), que é, ela própria, a obra de arte.

 

 

Marina Abramovic foi pioneira numa geração de artistas plásticos que usam o seu próprio corpo nas performances e instalações que fazem. Desta vez a 'exposição' chama-se The Artist is Present e pretende ser uma experiência de profundo envolvimento, interacção e provocação relativamente ao público.

 

 

A ideia de Marina Abramovic é permanecer sentada como se fosse uma escultura e ser admirada enquanto tal. Não apenas no sentido narcísico mas, acima de tudo, no sentido mais vivo que pode ter a palavra escultura. O desafio que a artista faz aos visitantes do Museu de Arte Moderna é que se sentem na sua frente e a olhem em silêncio, enquanto ela permanece sentada de olhar fixo e sem dizer uma palavra. Não é um exercício fácil para nenhuma das partes.

 

 

Alguns dos presentes acharam a performance 'a crazy thing'. Talvez seja ou talvez não. Aquilo que eu vi foi uma grande seriedade e profissionalismo na maneira como Marina Abramovic se expôs e manteve uma pose física e um olhar dificílimos de manter naquelas circunstâncias. Não faço a menor ideia de quanto tempo vai aguentar esta exposição mas para mim, que estou de passagem por NY, foi um prazer 'conhecer' pessoalmente esta artista e ver a maneira como nos desafia a pensar e a olhar para a arte contemporânea.

publicado por Laurinda Alves às 17:43
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
.pesquisar
 
.Feitos em Portugal

Feitos em Portugal

.tags

. todas as tags

.portugueses sem fronteiras
.posts recentes

. A vibração dos artistas d...

. Noite e dia nas ruas de N...

. Fotografias de Travis Rus...

. Jazz de portugueses em No...

. Nova Iorque não dorme

. Encontro com Annie Leibov...

. Retratos e auto-retratos ...

. A Joana Vicente e a Catar...

. Conversas ao amanhecer na...

. Marina Abramovic, artista...

.arquivos
.mais sobre mim
.subscrever feeds