Domingo, 20 de Janeiro de 2013
O melhor presente que podemos ter é... o presente!


Não percam! Mesmo que já tenham visto, vale a pena ver e voltar a ver. Eu vou vendo esta e outras TED talks repetidamente. Inspiram-me para a vida!
publicado por Laurinda Alves às 20:51
link do post | comentar | ver comentários (15) | favorito
Segunda-feira, 14 de Janeiro de 2013
Alegria contagiante

Adoro este miúdo, e tudo o que diz e faz tem graça ou surpreende. Fala com os 'ss' acentuados e isso dá-lhe uma graça infinita. Tem 3 anos e uma cabeça prodigiosa. Deixo aqui esta imagem porque vale por mil palavras e enche de alegria para a semana que já se anuncia.

publicado por Laurinda Alves às 00:31
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Sexta-feira, 11 de Janeiro de 2013
Memórias que se guardam para sempre

 

Uma casa na árvore é uma imagem que faz parte do imaginário de quase todas as crianças de quase todo o mundo. E não apenas das crianças, também muitos adultos cultivam a nostalgia de já terem tido esse sonho ou, os mais sortudos, de terem vivido essa realidade. Conheço famílias que construiram juntas casas em árvores e o fizeram ao longo de décadas, envolvendo várias gerações. Casas que vão sendo acrescentadas, melhoradas, estruturadas e reforçadas de tal forma que se aguentam firmes durante décadas a fio. Confesso que tenho imensa inveja de quem tem ou teve uma casa na árvore, e lembro-me de ter lido um livro que marcou para sempre o fim da minha infância por ser o primeiro livro de mais de 200 páginas que li sozinha, mas também por ser a história de uns miúdos que viviam n'A Casa da Árvore Oca. Falo de um clássico de Enid Blyton e de um livro que me fez sonhar longos anos com uma casa na árvore. Agora volto ao tema por ter estado a rever fotos deste Verão, e me ter saltado esta à vista. Trata-se de uma casa com divisões assoalhadas, vidros de correr nas janelas (vidros inquebráveis, notem, tipo plástico duro), escadas interiores e exteriores, esconsos, cozinha e um terraço que se estende no ramo da árvore e por acaso não se vê nesta imagem. Esta casa tem luz e pode-se dormir lá dentro, coisa que os donos e os seus amigos fazem vezes repetidas nos Verões que passam juntos no perímetro da casa. Mais do que uma casa giríssima, toda feita à mão por avós, netos e pais, esta obra revela uma construção maior: dos laços entre uns e outros. Enquanto edificaram a casa também construiram uma memória indelével de pequenos e grandes momentos que marcam para toda a vida. Hoje em dia a casa é um cúmulo de boas memórias e sempre que ouço os autores falar das técnicas e estratégias que foram pensadas e adoptadas para lhe dar forma, ouço gargalhadas e conversas sempre atropeladas, num entusiasmo inaugural. Como se estivesse tudo a acontecer naquele momento, quando na verdade o avô já morreu e alguns primos moram longe. Lembrei-me de escrever hoje sobre pais e filhos a partir das casas na árvore, que podem ser reais ou imaginárias (ou passar por projectos, passeios e construções que não têm nada a ver com estas) por estarmos em véspera de fim de semana e haver mais tempo para estarmos uns com os outros. Só por isso.

publicado por Laurinda Alves às 16:27
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Domingo, 6 de Janeiro de 2013
As cores da vida

 

Para começar bem a semana, aqui ficam fragmentos de um poema de Novalis, poeta de que tanto gosto:

 

(...)

Teremos de assumir sempre um tom grave?

Quem for demasiado velho para sonhar,

que evite os encontros de jovens.

(...)

As cores da vida:

quanto mais vivas, melhor.

 

in Fragmentos são Sementes, Novalis, Roma Editora

publicado por Laurinda Alves às 23:13
link do post | comentar | favorito
Domingo, 30 de Dezembro de 2012
Balanço de 2012 e propósitos para 2013

 

Os útimos dias de cada ano são ideais para parar e fazer alguns balanços do passado recente. Gosto deste tempo e gosto deste olhar demorado sobre a realidade de um ano inteiro. Acabei a agenda de 2012 com umas linhas positivas. Fiz de propósito. Ou melhor, fiz esse propósito de tentar tirar sempre alguma coisa construtiva de tudo o que acontece, seja fácil ou difícil. Viktor E. Frankl, o médico psiquiatra austríaco que sobreviveu a 4 campos de concentração nazis, viveu até aos 92 anos e publicou dezenas de livros, é o autor de um dos grandes livros da nossa era. Falo d'O Homem em Busca de um Sentido, lido por milhões e milhões de pessoas em todo o mundo, onde Frankl escreve sobre a importância de termos objectivos e encontrarmos um sentido para a vida. Viktor Frankl sublinha a "capacidade humana de transformar criativamente os aspectos negativos da vida em algo positivo" e através da narrativa da sua experiência pessoal em Auschwitz garante que "o que importa é conseguir o melhor de qualquer situação". Este livro fascinante e sempre actual ajuda-nos incrivelmente a relativizar muitos dos nossos sofrimentos e perplexidades. Deixo aqui mais uma citação com enorme gratidão ao amigo que me fez voltar a este livro nesta fase.

 

"A prioridade cabe à criatividade para mudar a situação causadora do nosso sofrimento. Mas a superioridade vai para o saber como sofrer, se não tivermos como evitá-lo. Existem provas empíricas de que - literalmente - o homem comum partilha dessa opinião. Estudos de opinião pública na Áustria revelaram que as pessoas mais estimadas pela maioria dos inquiridos não são nem os grandes artistas, nem os grandes cientistas, nem os grandes estadistas, nem mesmo as grandes figuras do desporto, mas sim aqueles que conseguiram superar um destino difícil de cabeça erguida".

in O HOMEM EM BUSCA DE UM SENTIDO, VIKTOR E. FRANKL, EIDTORA LUA DE PAPEL - LEYA

publicado por Laurinda Alves às 21:45
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
Sábado, 1 de Setembro de 2012
Momentos únicos e pessoas inspiradoras...

Sei muito pouco sobre esta senhora, mãe de vários filhos e avó de 10 netos, com quem me cruzei esta manhã depois de uma reunião para organizar um encontro do Humanity's Team em Portugal. Vinha a conversar pelo passeio quando 'tropecei' nesta cena: uma senhora mais velha toda despachada a abrir o capot do carro para verificar a mecânica com ar entendido. Perguntei-lhe se precisava de ajuda e com o mesmo ar desembaraçado agradeceu e disse que não. Achei graça à sua atitude e voltei atrás para lhe perguntar se podia repetir a cena e se a podia fotografar para o blog. Riu e disse que sim. Chama-se Ana Maria, tem idade para ser minha mãe e atravessa uma fase particularmente erosiva e dolorosa do ponto de vista da saúde, mas ninguém diria. Grande pinta!

publicado por Laurinda Alves às 23:08
link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito
Segunda-feira, 16 de Julho de 2012
Dupla celebração no Cais dos Cruzeiros, esta semana

 

O que é que Nuno Tovar de Lemos, padre jesuíta, tem a ver com velas, veleiros e marinheiros? Nada. Ou tudo, depende do ponto de vista e do dia da semana.

 

A partir desta 5ª feira, e até domingo, estarão em Lisboa alguns dos maiores veleiros do mundo. A Sagres é uma beleza e hoje uso a polaroid que tirei recentemente, no dia em que estive a bordo, para falar de uma dupla celebração a propósito de veleiros e fé. Como estava a dizer, entre 5ª e domingo a entrada é livre e todas as pessoas podem ir ao Cais dos Cruzeiros, perto de Santa Apolónia, ver o espectáculo fabuloso dos Tall Ships.

 

No dia da inauguração deste mega-acontecimento os jesuítas do Cupav - Centro Universitário Padre António Vieira - vão celebrar uma missa ao ar livre, com um cenário de cinema: os veleiros, os mastros e as velas ao entardecer, com um pôr-do-sol no horizonte líquido e a outra margem ao fundo. Todos os que quiserem ir podem ir, mas por uma questão de organização o Cupav pede para mandarem um mail a avisar que vão. Isto porque em cada uma das celebrações recentes na Lx Factory e depois, nas Ruínas do Carmo, estiveram quase mil pessoas. 

Ver a maneira prática e poética como os jesuítas e voluntários improvisam o altar e transformam os espaços em lugares sagrados é outro filme. Habituados a celebrar para crentes, descrentes e cépticos, os jesuítas sabem que a estética importa e ajuda a entrar no espírito. Não vou perder esta missa como, aliás, não perdi a celebração da LxFactory nem a missa nas Ruínas do Carmo. Sem querer converter ninguém, mas porque sei que estes momentos são radicalmente marcantes até pela experiência estética, insisto, pelo silêncio, pela comunhão e pelos coros num espaço público, não resito a aconselhar este 'programa' para 5ª feira às 20h. Quem quiser ir mande um mail para aqui: missa.grandesveleiros@gmail.com

 

Nesta imagem Nuno Tovar de Lemos e Miguel Siqueira de Almeida faziam os últimos preparativos antes da missa nas Ruínas do Carmo. Estas celebrações são especiais para todos os que participam e também para quem acha que a Igreja está muito distante da realidade-real.

publicado por Laurinda Alves às 16:55
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Copa de Verano

Estive fora no fim-de-semana, sem rede no telemóvel nem computador, mas agora que voltei deixo aqui duas imagens da praia onde a equipa portuguesa Jones Lang LaSalle, uma das melhores empresas de imobiliário do mundo, implantada em 70 países, fez o seu jantar de Verão na sexta-feira, depois de um dia inteiro de avaliações sobre a evolução da JLL Portugal. Não deixo as imagens do jantar e do serão animado que se seguiu porque não sou de devassar a privacidade de ninguém e, muito menos, de uma equipa de cerca de 60 pessoas, mas não posso deixar de sublinhar a alegria, a cumplicidade e a abertura de espírito de todos os elementos desta empresa que luta com as mesmas dificuldades com que luta a esmagadora maioria das empresas numa época de 'mercado parado'. Fiz uma acção de formação em Comunicação a toda a equipa Jones Lang LaSalle durante seis semanas e fiquei a conhecer bem as pessoas que se empenham diariamente em atravessar a crise dando novas respostas aos novos desafios. Depois de ter atravessado Portugal de Norte a Sul para gravar a série de programas Feitos em Portugal, e após uma sucessão de anos a entrevistar portugueses que constroem a marca de Portugal dentro e fora do país, confesso a minha admiração por mais estas dezenas de pessoas que não desistem e trabalham com criatividade e garra, tentando transformar os problemas em oportunidades. Como alguém dizia, quando tudo à nossa volta é motivo para desanimar e descrer, o grande milagre é continuarmos a acreditar e a lutar.  

 

publicado por Laurinda Alves às 00:09
link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito
Terça-feira, 10 de Julho de 2012
Mudanças e outras andanças

Hoje eu e o meu filho fizemos esta estrada quatro vezes, para trás e para a frente, de manhã e à tarde, por causa de uma mudança importante e marcante nas nossas vidas. Educar um filho para a autonomia, para a liberdade e a responsabilidade é um caminho longo e por vezes acidentado que vale a pena percorrer. Este dia fica para sempre assinalado como um marco no percurso de cada um. Hoje acordo e adormeço infinitamente grata a Deus, à vida, e de uma maneira especial aos meus pais, aos meus irmãos, ao meu sobrinho mais velho e aos amigos que estão mais próximos em dias como este. 

publicado por Laurinda Alves às 22:08
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
Segunda-feira, 9 de Julho de 2012
Al Jarreau, um músico terno e eterno

Aos 72 anos, Al Jarreau impressiona pela vitalidade e alegria em palco. Continua a ter aquela sua extraordinaria sonoridade musical e a imitar vários instrumentos com a sua própria voz. Depois de vários internamentos por problemas cardíacos e respiratórios, voltou aos palcos e às digressões. É incrível esta sua atitude de superação e a força que revela. 

 

Tanto ou mais do que a sua voz e a sua força interior, marcam-nos a sua alegria e a sua ternura. Canta a sorrir e ri por tudo e por nada. Oferece sucessivamente o palco aos seus músicos para poder fazer as suas pausas, mas também para os deixar brilhar. E brilham mesmo. No fim Al Jarreau ficou muito próximo do público e deixou-se abraçar, tocar e fotografar com os seus fãs. Quando as luzes do palco se apagaram ele desceu e ficou no meio de um círculo de admiradores, com quem conversou animadamente. Impressionante, mesmo. O concerto foi muito bom e todos dançámos e cantámos alguns dos seus hits. Era impossível não o acompanhar.

 

 

 

 

 

publicado por Laurinda Alves às 00:31
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
.pesquisar
 
.Feitos em Portugal

Feitos em Portugal

.tags

. todas as tags

.portugueses sem fronteiras
.posts recentes

. O BENTO E A CARMO HOJE EM...

. Esta miúda vai longe!

. Ladrões e cavalheiros

. Vamos esgotar o Teatro Ca...

. QUINTA-FEIRA SANTA: DIA D...

. BOAS NOTÍCIAS: O BENTO AM...

. Será que a felicidade me ...

. 50 MIL EUROS PARA PREMIAR...

. Obrigada a todos os profi...

. ALGUMAS DAS MELHORES ALUN...

.arquivos
.mais sobre mim
.subscrever feeds