Quinta-feira, 3 de Maio de 2012
A Confissão da Leoa, mais um livro apaixonante do Mia

Impressionante a quantidade de gente que se juntou ontem à volta do Mia Couto, apesar da chuva e do frio, para o ouvir falar do seu novo livro, para conversar com ele e ter mais um autógrafo. Comecei a ler o livro e já estou adiantada, mas já em fase de poupar páginas. Acontece-me sempre que leio um livro muito bom. Começo a demorar, para a leitura durar mais tempo. É uma espécie de batota que todos os leitores fazem com os seus autores preferidos. Com o Brodsky foi sempre assim: os livros pousados antes de chegar ao fim, para esticar o tempo e ter a ilusão de perpetuar a narrativa. A Confissão da Leoa é, como disse José Eduardo Agualusa, um livro inaugural, um livro radical, uma nova maneira de o Mia contar uma história. Desta vez ele parte de uma narrativa duríssima, de uma realidade brutal mas que parece irreal: em 4 meses 26 pessoas de uma povoação moçambicana foram devoradas por leões e é sobre este acontecimento que o autor recria uma história, um livro trespassado de dor e humanidade, mas também de surpresa e mistério. Não vale a pena escrever muito mais, porque tudo o que eu possa dizer fica aquém, muito aquém, e nem sequer faz justiça ao livro nem ao autor. Se puderem, leiam, é muito bom.

"Um acontecimento real - as sucessivas mortes de pessoas provocadas por ataques de leões numa remota região do norte de Moçambique -  é pretexto para Mia Couto escrever um supreendente romance. Não tanto sobre leões e caçadas, mas sobre homens e mulheres vivendo em condições extremas. Como afirma um dos personagens, 'aqui não há polícia, não há governo, e mesmo Deus só há às vezes" 

publicado por Laurinda Alves às 07:33
link do post | comentar | favorito
3 comentários:
De Mariinha a 3 de Maio de 2012 às 22:13
No Domingo volto à Feira e vou comprar esse livro para oferecer aos meus filhos. Muito obrigada pela sugestão. Cumprimentos
De Maria a 4 de Maio de 2012 às 17:07
Ontem tive o prazer de assistir à apresentação deste livro na biblioteca Lúcio Craveiro da Silva, em Braga. Fiquei muito interessada neste livro e por isso mesmo eu comprei-o, tendo a oportunidade de ter sido autografado. Foi um privilégio conhece-lo pessoalmente.
De são branca a 3 de Junho de 2012 às 04:08
De ler e reler. Ler da primeira à última página, de preferência seguido. Reler capítulos intercalados. Faz muita diferença e permite-nos chegar a diferentes pontos de vista que podem ter passado despercebidos.

Comentar post

.pesquisar
 
.Feitos em Portugal

Feitos em Portugal

.tags

. todas as tags

.portugueses sem fronteiras
.posts recentes

. MUITO OBRIGADA A TODOS PE...

. CURSOS DE COMUNICAÇÃO NO ...

. Curso de Comunicação adia...

. Se tiver quorum ainda dou...

. O BENTO E A CARMO HOJE EM...

. HOJE NO PORTO: SOBREVIVER...

. MÃES QUE NÃO CHEGAM A VER...

. Esta miúda vai longe!

. Alegria!

. Ladrões e cavalheiros

.arquivos
.mais sobre mim
.subscrever feeds