Sexta-feira, 8 de Julho de 2011
Querido Diogo

 

 

É difícil aceitar a perda dos amigos. É duro, muito duro. Morreu o Diogo Vasconcelos, de uma morte quase súbita, não anunciada, que nos deixa a todos com uma dor acrescentada pela brutalidade e pelo aparente sem-sentido. O Diogo faz-me falta também a mim, pois era um pilar de confiança e um bom amigo com quem conversava e trocava mails com regularidade. Devo-lhe a ele este blog, pois foi ele que me convenceu a criá-lo. Mas devo-lhe muito mais do que isso, na medida em que ele transformava todas as realidades e pessoas que tocava. Era o homem do mundo digital, sempre com a narrativa do futuro, a correr mundo e a antecipar tendências. Uma mente brilhante que fazia ligações prováveis e improváveis, um visionário que apontava caminhos. Um amigo terno e atento, sempre com o cuidado de se fazer próximo e presente apesar de ser, como todos sabemos, um globe trotter. O mundo fica infinitamente mais triste e sombrio sem a presença luminosa do Diogo. E da Zézinha.

 

 

 

publicado por Laurinda Alves às 13:00
link do post | comentar | favorito
10 comentários:
De Paula Seixas a 8 de Julho de 2011 às 13:35
Laurinda,
Apenas para lhe dar os meus mais sinceros sentimentos, pela perda do seu amigo. Sem dúvida, que nunca estamos preparados para estas notícias e são perdas muito dolorosas. Mas a vida é assim mesmo, muito frágil:-(
Deixo apenas uma frase: ""A amizade é um amor que nunca morre." [Mário Quintana]
... para tentar suavizar a dor que sente pela ausência do seu amigo.
Sei que o Diogo Vasconcelos, foi o fundador da revista "Cais" e que também foi o co-organizador da “Missão Paz em Timor” (Lusitânia Expresso), promovida pela revista “Fórum Estudante”. Entre muitos outros projectos e iniciativas que esteve envolvido. É sem dúvida uma perda para o país também.
Beijinhos.
Paula Seixas



De Vitor Raimundo Martins a 8 de Julho de 2011 às 17:23
Tristes dias estes!!

Se com a MJNP fui apanhado desprevenido, pois desconhecia a existência da sua doença, com o Diogo, fui verdadeiramente atropelado pela notícia! Sempre que algum amigo morre de forma repentina, ficamos assim e apetece, reformular tudo, modos de vida, prioridades, etc.

Já na Faculdade o Diogo destacava-se porque metia-se nas coisas de corpo e alma e aquilo que nos parecia até um pouco utópico, com ele realizava-se mesmo.

Talvez por isso, muitos o consideravam um visionário, tal como a Laurinda! Nunca percebi bem a escolha do Direito, mas nada disto importa agora!

A morte nunca é justa!
De Antonio Brazão a 8 de Julho de 2011 às 20:15
Olá Laurinda!

Uma pequena história...

Hoje fui com um amigo (pastor de cabras no Gerês) de 52 anos ao Hospital da Univ. Coimbra, para que ele fizesse os exames necessários à correcção da vista por Lazer.

Pois bem, a Jovem e frugal Médica, disse-lhe do alto do seu Nariz:

-É melhor esperar mais 8 anos para então corrigir também as cataratas!

Acabei por não intervir...tive pena dela que ainda está numa idade que se julga imortal! Coitada, lembrou-me F.Pessoa quando dizia "triste de quem é feliz, vive porque a vida dura"...

Apeteceu-me dizer-lhe que daqui a oito anos já ele poderá não estar cá!!! (Recordei-me da "velocidade" da doença que atingiu a Deputada Maria José Nogueira Pinto)...Apeteceu-me dizer-lhe...

Agora é a vez deste jovem brilhante que morre estupidamente aos 43 anos...

Enfim, isto não é "la vie".

Sabe, talvez por contactar com crianças com cancro, cada vez mais acho que o que de facto importa é a saúde...o resto (dinheiro, posição social, poder...) é tudo conversa. Tudo conversa!

Celebremos pois o dia de hoje, a chuva e o sol.

Abracemos quem pudermos.

O resto é tudo conversa! Tudo conversa!

Abraços e feliz fim de semana.

Faça por ser Feliz!

António Brazão.

P.S. Ontem gostei particularmente do seu programa, principalmente da Srª de Paris (não recordo o nome). Uma extraordinária e fantástica Senhora!

Parabens pelo seu trabalho, Laurinda!
De Joana Freudenthal a 9 de Julho de 2011 às 01:29
Nem mais, António!
De Tété (http://natuereza.blogspot.com a 8 de Julho de 2011 às 21:25
Laurinda,
Realmente como diz o meu antecessor , isto não é a vida. Mas é o fim de vidas que partiram e que desejamos e acreditamos para outra onde a paz, a luz e o não sofrimento se sobreponham a esta de loucura, egoismo e desamor.
Será que as pessoas se podem lembrar mais vezes de que isto é uma passagem e tornar essa passagem mais suave, com caminhos mais fáceis e onde o amor e a solidariedade andem de mãos dadas? Ou só se lembram disto na altura da partida dos amigos e familiares?
Faço por continuar a tentar agir de acordo com o pensamento de que a partida não é previsível, mas que partimos, lá isso partimos todos.
Desejo que a recuperação do seu filho esteja a ser a melhor.
Grande abraço
Teresa Simões
De Marta M a 8 de Julho de 2011 às 23:10
Laurinda:
Tristes e pesados estes últimos tempos, não?
Abraço amigo quando não há muito mais a acrescentar...
Marta M
De Marcolino a 8 de Julho de 2011 às 23:53
Querida Laurinda.
Duas Inteligencias, na Flôr da Vida, partiram, sem que haja alguém que me saiba explicar, cabalmente, o porquê de terem sido eles a partir e não outros, os chamados Senhores das Guerras que, a seu belo prazer, semeiam a destruição, de pessoas e bens.
Laurinda, estou solidário consigo, entendo a sua dôr, eles, estes dois Seres Inteligentes, partiram para um Tempo Desconhecido, deram de si a todos nós mas, acredito, que se pudessem comunicar connosco nos diriam: Fôrça Companheiros de Jornada, nossas Missões acabaram, o Mundo não acabou com a nossa partida, tentem dar o vosso melhor para que outros convosco aprendar a dar o melhor de si mesmos.
Um beijinho, para si, aqui deste velhote, que muito a estima!
Marcolino
De Teresa Lopes a 9 de Julho de 2011 às 22:58
Demasiada tristeza numa semana só, Laurinda.
Esta foi uma semana de reflexão profunda para mim.
Temos de viver cada dia como se fosse o último. Dando o máximo de nós, sendo e fazendo os outros felizes. Aquilo que tu fazes tão bem.
Um beijinho grande
Teresa
De Cristina Costa Amaral a 10 de Julho de 2011 às 01:27
Querida Laurinda,
De facto são perdas de lamentar, e custam muito mais quando as pessoas nos são próximas como o menciona.
Como a compreendo. Um beijinho
Cristina
De José Paulo Santos a 15 de Agosto de 2011 às 18:43
Sinto muitas saudades do meu querido amigo Diogo! http://www.youtube.com/watch?v=241FSyZRLvs&feature=youtube_gdata_player

Beijinho, Laurinda
Gostaria de a convidar um destes dias para almoçar e termos uma boa conversa. Vamos a isso? ;-)

Comentar post

.pesquisar
 
.Feitos em Portugal

Feitos em Portugal

.tags

. todas as tags

.portugueses sem fronteiras
.posts recentes

. MUITO OBRIGADA A TODOS PE...

. CURSOS DE COMUNICAÇÃO NO ...

. Curso de Comunicação adia...

. Se tiver quorum ainda dou...

. O BENTO E A CARMO HOJE EM...

. HOJE NO PORTO: SOBREVIVER...

. MÃES QUE NÃO CHEGAM A VER...

. Esta miúda vai longe!

. Alegria!

. Ladrões e cavalheiros

.arquivos
.mais sobre mim
.subscrever feeds